TAG dos Títulos

Olá, pessoal!

Hoje trago uma TAG bem bacana e rapidinha que vi no blog Reality Of Books (Catharina arrasa nas tags haha!). Ela é bem simples e consiste em responder algumas perguntinhas sobre títulos que temos na estante. Vamos lá?

1) O título mais longo de um livro que você tem:



A Melhor Coisa que Nunca Aconteceu na Minha Vida, de Laura Tait e Jimmy Rice. Eu comprei esse livro recentemente, mas ainda não li. O título e a capa me conquistaram logo de cara! É o título mais longo da minha estante e parece ser um romance bem fofo.

2) O título mais curto de um livro que você tem:



Zoo, de James Patterson e Michael Ledwidge. Essa é minha leitura atual e o título mais curto da minha estante. Eu tô curtindo a leitura e em breve sairá resenha aqui no blog!

3) Um título que não tem absolutamente nada a ver com o livro:



A Culpa é das Estrelas, de John Green. Eu adoro esse livro, mas acho o nome bem nada a ver. E só para constar: a culpa é do John Green mesmo, adora fazer o povo sofrer lendo seus livros! 

4) Um título que descreve o livro perfeitamente:



A Seleção, de Kiera Cass. O título descreve perfeitamente o livro. Na obra, em um futuro distópico, acontece uma competição em que o príncipe escolherá sua futura esposa. Eu gostei muito da escrita da Kiera e essa série virou uma das minhas queridinhas.

5) O título mais chato:


Lucas, de Kevin Brooks. Ainda não li esse livro e esse título em nada me atrai, mas confesso que comprei o livro só pela cara de psicopata do menino da capa hahaha

6) Misture todos os títulos que você escolheu e faça seu próprio título:


A Culpa é das Estrelas e do Lucas, já que A Melhor Coisa que Nunca Aconteceu na Minha Vida foi A Seleção em um Zoo. (wtf?)

Espero que vocês tenham gostado da TAG e fiquem à vontade para responder no blog de vocês também! Mas não esqueçam de me avisar para que eu possa conferir as respostas de vocês, ok?


Autores parceiros na Bienal do Livro de São Paulo



Olá, pessoal!


Este ano não vou poder comparecer à Bienal do Livro, mas espero que a galera vá e aproveite bastante essa edição!

Alguns autores parceiros aqui do blog irão comparecer ao evento em determinados dias e horários. Fiz um resuminho para a galera que tiver interesse anotar na agenda e não perder a oportunidade de conhecer essas pessoas maravilhosas e suas obras:

Martha Ricas:



A autora estará lançando o livro Querubins – A Balança do Coração. Ela estará presente todos os dias na Bienal, mas especialmente no dia 03, haverá uma sessão de autógrafos com direito a muitas surpresas!

Renata Dias:


Eduardo de Sousa:

M. Pattal:



Jaqueline Cristina:


Ana Beatriz Brandão:



A sessão de autógrafos vai começar às 15h, as senhas podem ser retiradas no estande da Record a partir das 10h, serão apenas 200 senhas. Os 50 primeiros ganharão um kit super especial com marcadores, bottons, caneta, lápis, bloquinho de anotações, caixinha de lenços personalizados e uma camiseta ou uma caneca.

Espero que vocês aproveitem bastante o evento e não deixem de prestigiar os autores nacionais, que merecem todo nosso carinho e apoio!


Lançamento: Nerve – Jeanne Ryan

Você já se sentiu desafiado a fazer algo, mesmo sabendo que
pode se arrepender depois, acaba levando em frente? A heroína deste livro
também.


A Editora Planeta de Livros lançou este mês o livro Nerve, de Jeanne Ryan. A obra ganhou uma adaptação cinematográfica que irá estrear nas telonas na próxima quinta-feira (25). 


Sinopse: Vee cansou de ser só mais uma garota no colégio e quer
deixar os bastidores da vida para assumir seu merecido posto sob os holofotes.
E o jogo online NERVE, febre nacional transmitida ao vivo, pode ser o início
dessa trajetória de sucesso. Basta que ela clique no botão “Jogador” em vez de
“Observador” para entrar na disputa, que propõe, a cada etapa, um desafio novo. 
A adolescente acaba formando uma dupla imbatível com Ian, um
garoto desconhecido com quem trava contato ao se inscrever em NERVE. Juntos,
vão galgando posições no jogo. 
Mas, conforme os dois avançam na disputa, os desafios ficam
cada vez mais complexos… e perigosos.

Ainda não pude conferir a obra, mas como estou com uma vontade gigantesca de ler esse livro, quis compartilhar com vocês essa novidade super bacana da Planeta. A adaptação também está prometendo e deixo abaixo o trailer para que vocês possam ficar tão ansiosos quanto eu:

          

Na adaptação, Emma Roberts interpreta Vee, uma jovem sem
muita vida social que resolve entrar no Nerve, um jogo virtual de “Verdade ou
Desafio” que é acompanhado por vários usuários online. No começo, tudo é
diversão e pequenos desafios – e a jovem até se torna famosa pelos feitos – mas
logo ela se torna vítima de um roubo de identidade pelos organizadores dos
jogos. O elenco também conta com
Dave Franco e Juliette Lewis.

E aí, curtiram a novidade? Já leram a obra? Me contem!


Resenha: Quase Uma Rockstar – Matthew Quick

Título: Quase Uma Rockstar
Editora: Intrínseca
Autor: Matthew Quick
Páginas: 256
Ano: 2015

Nota:  

Sinopse: Desde que o namorado da mãe as expulsou de casa, Amber
Appleton, a mãe e o cachorro moram em um ônibus escolar. Aos dezessete anos e
no segundo ano do ensino médio, Amber se autoproclama princesa da esperança e é
dona de um otimismo incansável, mas quando uma tragédia faz seu mundo desabar
por completo, ela não consegue mais enxergar a vida com os mesmos olhos. Será
que no meio de tanta tristeza e sofrimento Amber vai recuperar a fé na vida?
Com personagens cativantes e uma protagonista apaixonante, Matthew Quick
constrói de forma encantadora um universo de risadas, lealdade e esperança
conquistada a duras penas.


Amber Appleton é uma menina de dezessete anos que mora com
sua mãe e seu cachorrinho no “amarelão”, o ônibus escolar que a mãe dirige para
trabalhar. Desde que foram expulsas da casa do namorado de sua mãe, as duas não
levam uma vida fácil, passam por maus bocados e nem sempre conseguem colocar
comida na mesa. Amber ainda precisa lidar com sua mãe quase sempre exagerando
na bebida. Apesar das dificuldades, ela é uma das meninas mais otimistas que
qualquer pessoa já conheceu, servindo de inspiração para muitas outras.  

Até que um dia uma tragédia inimaginável acontece e vira o
mundo de Amber de cabeça para baixo. Seria ela capaz de manter a fé e o otimismo
no momento mais difícil?

Quase Uma Rockstar é um livro sensível e divertido, que
despertou em mim várias emoções ao longo da leitura.

Nunca tinha lido nada do autor, mas gostei da escrita dele.
A narrativa, feita em primeira pessoa, é leve e flui bem. Eu demorei alguns
capítulos para me envolver com a história, mas, por conta da escrita informal do
autor, eu acabei me aproximando mais dos personagens conforme a leitura se
desenvolvia. 

Amber é uma personagem extremamente otimista e de uma fé (quase)
inabalável. Ela enxerga o melhor das pessoas e é muito bonita a forma como ela
vê a vida, apesar dos inúmeros problemas. Amber é uma menina com o coração de ouro: ela
faz trabalho voluntário, ajuda todos como pode e reza por todas as pessoas que
conhece. Tudo isso sem contar para
ninguém, nem mesmo seus amigos, as dificuldades que está passando com sua mãe.

A história em si é tão positiva que por momentos foge da
realidade e isso me incomodou em alguns pontos. A personagem é tão otimista que
chega a beirar a inocência, o que me fez duvidar da idade dela por algumas
vezes. Sabe quando a atitude não condiz com uma menina de dezessete anos que já
passou por tanta coisa na vida? Pois então. O otimismo exagerado de Amber, em
determinados momentos, me pareceu forçado demais. Como se trata de uma ficção,
eu tentei relevar esses pontos…

“E
tem mais: o gosto da minha mãe para homens é parecido com o gosto de um viciado
para crack. Qualquer coisa serve. E todos os seus entes queridos mais próximos
(eu) acham um saco quando mi madre está fumando uma nova pedrinha masculina,
porque – para ser bem sincera – ela fica meio alucinada.” p.13


É possível perceber que o autor trabalhou bastante em seus
personagens de forma a criar uma história inclusiva. A nossa protagonista faz
parte do grupo de amigos intitulado Os Cinco, que é formado por Ty (o único menino negro da cidade),
Jared (um menino gago), Chad (que anda de cadeira de rodas e é irmão de Jared) e
Ricky
(um menino diagnosticado com autismo). 

Esse círculo de amigos foi bem trabalhado na trama, o autor os inseriu no ambiente escolar de forma a criticar as práticas de bullying. Os Cinco são
extremamente cativantes. O destaque fica para Ricky, que é um menino doce e que
conquista o leitor logo nas primeiras páginas.

O livro possui uma grande quantidade de personagens
secundários, mas todos eles foram bem construídos. O personagem que mais chamou
minha atenção foi Soldado Jackson, que após ter voltado da Guerra do Vietnã,
vive escrevendo Haicais. Para quem não conhece, haicai é uma forma de poesia
japonesa que possui três linhas e dezessete sílabas.

Ainda que essa tenha sido uma boa leitura, de certa forma eu
esperava mais. Não foi um livro que de alguma forma me marcou ou que a história
tenha ficado por dias na minha cabeça. Acabou sendo uma leitura que após ter
sido finalizada, foi esquecida. Foi um bom entretenimento, mas só.  

A edição publicada pela Editora Intrínseca está muito bem feita. A diagramação da obra está perfeita, não encontrei erros e a capa do livro é muito bonita. Ótimo trabalho da editora! 

Quase Uma Rockstar é uma leitura despretensiosa que passa
uma mensagem de esperança e superação. Indico para quem procura um Young Adult divertido e emocionante. 


Resenha: A Herdeira (Os Lobos de Ester #1) – Janice Ghisleri


Título: A Herdeira – Os Lobos de Ester
Editora: Planeta Literário
Autora: Janice Ghisleri
Páginas: 326
Ano: 2015
Nota: 

Sinopse: Eles eram milenares, míticos e
poderosos, mas foram capturados e tratados como cobaias. Com a ajuda de um
cientista foram libertados, e agora lutam para resgatar os últimos lobos e
começar uma vida nova. Noah era o alfa. Apesar de belo e feroz, carregava
profundas cicatrizes em seu coração. Por isso, estar perto de Ester era a
última coisa que ele podia enfrentar, mas seu beta, Erick, pensava o contrário.
 Tudo estava indo bem para Ester. Ela
tinha uma nova casa, além de uma clínica veterinária, e um admirador secreto
que lhe enviava flores e presentes, até ela atender um chamado para ajudar um
animal ferido. E assim, Ester entrou em um mundo paralelo, onde havia homens
altos, fortes, sensuais e com olhos exóticos que jamais havia visto na vida. Após
o choque de descobrir a verdade sobre seu pai, Ester soube que não era uma
herdeira normal quando o conteúdo do seu testamento foi revelado. Um deles era
um companheiro, e isso teria uma consequência imensa para a sua vida. Porém,
nem imagina o que acontecerá quando descobrirem sua verdadeira identidade.


Ester é apenas uma garota normal,
vivendo em seu novo apartamento e trabalhando em sua clínica veterinária. Ela
vê seu mundo virar de cabeça para baixo ao descobrir o conteúdo do testamento
de uma herança deixada por seu pai – que ela achava estar morto há mais de oito
anos – e os segredos que acompanham o documento.

A partir desse momento, Ester acaba
envolvida em um mundo quase paralelo, onde seres míticos são reais. É nesse
contexto que ela conhece Noah, o alfa, um lobo que carrega consigo cicatrizes
profundas após ter sido capturado e usado como cobaia junto com sua alcateia.
Ele evita a todo custo se envolver com Ester, mas quanto tempo ele poderá
resistir?

“- Ele nunca amaria novamente. Isso
era o que ele pensava, até aparecer a herdeira.”


A Herdeira é o primeiro livro da série Os Lobos de Ester, escrita pela catarinense
Janice Ghisleri. A obra é uma mistura de romance, mistério, ação e erotismo.


O livro possui uma narrativa acelerada, logo no início a
obra já parte para a ação e somos introduzidos a esse novo mundo, caindo de
paraquedas junto com a personagem principal.

“Ester sentiu o medo lhe atravessar o corpo e ficou
parada como uma estátua, e seus dedos doeram apertando a alça de sua maleta
médica. 
– Meu deus, isso é um lobo? – Ester sussurrou”.

Os personagens em geral são bem construídos, até mesmo
aqueles que não fazem parte do arco principal são bem apresentados e é fácil
para o leitor se apegar a eles.

Em alguns momentos do livro senti falta de mais
explicações, principalmente no começo da história. Ela me parecia um pouco
corrida, quase como se faltassem pedaços. Mas acredito que esse seja o ritmo da
obra e, apesar da ressalva, não foi algo que tenha me incomodado no
desenvolvimento total do livro.

A escrita da autora é envolvente, li mais da metade do
livro em apenas um dia. Janice consegue prender o leitor em cada capítulo e nos
deixar curiosos querendo saber o que irá acontecer nos próximos. 



O livro, publicado pela Editora Planeta Literário, possui uma capa muito bonita
e condizente com a história. Não posso opinar sobre a diagramação da versão
física do livro, já que li a versão digital. No e-book não encontrei erros
ortográficos ou de espaçamento.
 


Indico o livro para
aqueles que, como eu, gostam desse viés mítico e estão procurando livros que
unam
ação, romance e lobos fascinantes.


Nova parceria: Editora Rocco

Olá, leitores!

É com imensa alegria que trago esta notícia: o Livros da Jess agora faz parte do time de parceiros da Editora Rocco


História:


A Rocco tem como compromisso publicar as melhores obras de
autores nacionais e estrangeiros. Criada em 1975 por Paulo Roberto Rocco, a
editora sempre se mostrou atenta às manifestações da sociedade, antecipando
tendências e difundindo novas ideias em diferentes segmentos.  Na década de 1980, ousou ao trazer para o
catálogo pensadores importantes como Michel Maffesoli e Jean Baudrillard, além
de abrir espaço para nomes de vanguarda no cenário político nacional como
Fernando Gabeira, Herbert Daniel e Alex Polari, entre outros intelectuais e
ativistas que marcaram época.
No mesmo período, deu início à formação de seu prestigioso
catálogo de ficção, com títulos como A fogueira das vaidades, de Tom Wolfe, que
até hoje é referência na prosa norte-americana e foi adquirido num dos
primeiros grandes leilões do mercado editorial. A Wolfe viriam se juntar, nos
anos seguintes, nomes como Gore Vidal, Noah Gordon, Ken Follett, Anne Rice e
Carlos Fuentes, para citar apenas alguns, formando um painel variado da
literatura e do pensamento mundial do século XX.
Em 1988, apresentou ao Brasil e ao mundo aquele que viria a
se tornar o mais bem-sucedido escritor brasileiro, Paulo Coelho, ao lançar O
alquimista
. Quatro anos depois, em 1992, A firma, de John Grisham, abria
caminho para uma ficção comercial de qualidade que também se tornou uma marca
em seu catálogo.  No ano 2000, publicou
Harry Potter e a pedra filosofal, o primeiro volume da série da então
desconhecida J. K. Rowling, que se transformou no maior fenômeno editorial de
todos os tempos.
 

Coube à Rocco um papel de destaque também em áreas como
saúde, autoconhecimento e espiritualidade com a coleção Arco do Tempo, que fez
história com títulos como Mulheres que correm com os lobos, clássico da
psicanalista e escritora Clarissa Pinkola Estés que ganha reimpressões sucessivas
desde o lançamento, em 1994. Em 1995, a editora ousou novamente ao publicar no
Brasil o sucesso Homens são de Marte, mulheres são de Vênus, de John Gray, que
viria a inaugurar um novo segmento de sucesso no mercado editorial, o de livros
de psicologia voltados para o aconselhamento pessoal. Em 1998, veio outro
grande sucesso deste segmento, Não faça tempestade em copo d’água, de Richard
Carlson.

A Rocco hoje:


Atualmente, a Rocco se mantém como uma das editoras
brasileiras que mais se dedicam à divulgação de obras de ficção e não ficção
contemporâneas, com nomes como Irvine Welsh, Jonathan Safran Foer e Julian
Barnes, ganhador do Man Booker Prize, em seu catálogo.
Nas letras nacionais, é a casa de autores premiados como
Roberto DaMatta, Affonso Romano de Sant’Anna, Clarice Lispector, Autran
Dourado, Patrícia Melo e a imortal Rosiska Darcy de Oliveira, para citar
alguns. E destaca-se ainda na busca constante por novos talentos, publicando
nomes que se consagraram no cenário nacional, como André de Leones, Antônio
Xerxenesky e Flávio Izhaki.
Além da reconhecida qualidade literária, o catálogo da Rocco
reúne temas diversos, que somam aproximadamente dois mil títulos, indo da
gastronomia aos negócios, da crônica de viagem à biografia, passado pela
filosofia, pela História e pelos  avanços
da ciência, entre outros assuntos, e reunindo nomes de prestígio em diversas
áreas como Frances Mayes, Robert K. Massie, Cioran e Michio Kaku.

Novos Selos:


Criado em 2010, a Rocco Digital atende às novas
possibilidades e modelos de negócios com a ampliação das plataformas de leitura
e reafirma o compromisso da Rocco de publicar obras relevantes, também em
e-book. Parte expressiva do catálogo da editora já ganhou versão digital, de
longsellers como os títulos de Noah Gordon a sucessos recentes, como a trilogia
Jogos Vorazes. Os e-books da editora seguem um minucioso trabalho técnico e
estético que preza, acima de tudo, a qualidade da experiência de leitura.
Em 2014, mais uma vez observando os movimentos e tendências
do mercado, a editora deu início a um processo de melhor segmentação de seu
catálogo com a criação de dois novos selos: Fábrica231, o selo de
entretenimento da Rocco, e Fantástica Rocco, dedicado à literatura de fantasia,
ficção científica e terror. No ano seguinte, vieram os selos Bicicleta Amarela,
que publica o que há de mais moderno nas áreas de saúde, bem-estar e estilo de
vida, e Anfiteatro, o selo de ideias e debates da Editora.

Novas gerações:


A Rocco mantém-se atenta também à formação das novas
gerações de leitores, através dos selos Rocco Jovens Leitores e Rocco Pequenos
Leitores
, que reúnem obras de ficção e de informação dedicadas ao público
infantil e juvenil, muitas delas premiadas por instituições como a FNLIJ
(Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) e adotadas em escolas e
programas governamentais de incentivo à leitura.
Com forte presença de mercado, o selo Rocco Jovens Leitores
tornou-se referência no segmento juvenil, com um catálogo que reúne alguns dos
autores e séries de maior sucesso entre este público, como Ciclo A Herança,
Jogos Vorazes, Divergente e Pretty Little Liars, entre outros. Pelo mesmo selo,
a Rocco lançou Thalita Rebouças, a escritora brasileira de maior sucesso entre
os adolescentes, os títulos infantojuvenis de Neil Gaiman e a coleção Histórias
Inéditas do Pequeno Nicolau, clássico francês da dupla René Goscinny e
Jean-Jacques Sempé. No segmento Pequenos Leitores, brasileiros premiados como
Caulos e Karen Acioly fazem companhia a nomes consagrados lá fora como William
Joyce, autor do celebrado Os fantásticos livros voadores de Modesto Máximo.

Compromisso:


Há mais de três décadas demonstrando sensibilidade para
detectar as tendências do mercado em diferentes segmentos, ousadia na difusão
de novas ideias e agilidade de produção, a Rocco se orgulha por ser uma editora
sólida e independente, capaz de se reinventar a cada dia para atender aos
anseios do público brasileiro.

O Livros da Jess fica imensamente agradecido com a oportunidade e confiança no nosso trabalho. Desejamos que essa seja uma parceria de sucesso e que possamos trazer muita coisa bacana para vocês, leitores!


Resenha: Amor ao Pé da Letra – Melissa Pimentel

Título: Amor ao Pé da Letra
Editora: Paralela
Autora: Melissa Pimentel
Páginas: 304
Ano: 2015

Nota:  

Sinopse: Achar o homem perfeito não é fácil e foi isso que a agente literária
Melissa Pimentel, assim como sua personagem, Lauren, descobriu quando se mudou
para Londres de um dia para o outro. Infelizmente, Melissa logo viu que
conquistar um homem era mais difícil do que parecia, mesmo quando ela jurava
não querer nada sério. Foi aí que surgiu a solução: decidiu seguir os conselhos
dos mais populares livros de autoajuda para conquistar homens e criou um blog
para narrar suas experiências. Nasceram daí os encontros de Lauren, que em Amor
ao pé da letra, receberam toques de ficção, como uma legítima comédia romântica.


Lauren Cunnigham é uma americana de 28 anos que abandonou
uma vida estável em Portland para começar uma nova vida em Londres. Lauren está
solteira e busca novas experiências, mas apenas sem compromisso, nada de
envolvimento. O problema é que homem nenhum acredita que ela não quer algo mais
sério e eles sempre acabam fugindo.

Decidida a mudar isso, Lauren resolve transformar sua vida
em um experimento social: a cada mês ela seguirá um guia de relacionamento
diferente – seguindo seus conselhos à risca – até desvendar a mente masculina e descobrir como se tornar irresistível para os homens.

Amor ao Pé da Letra é uma leitura repleta de bom humor, diálogos
espirituosos e tiradas sarcásticas. As aventuras de Lauren no plano amoroso
rendem cenas divertidas, encontros desastrosos e risadas garantidas para o
leitor.

A história da personagem Lauren é fictícia, mas a obra foi
inspirada em situações reais vividas pela própria autora. Ela decidiu seguir
conselhos de especialistas em encontros (lê-se livros de autoajuda) e escrever
um blog sobre isso, o que rendeu quarenta e dois textos, vinte e três encontros
e muitos drinques. Toda a experiência serviu de inspiração para Amor ao Pé da
Letra
, seu primeiro romance.

“Foram
três meses de trepadas incríveis, com uma pessoa com quem eu não me importava
de passar o “antes e depois” – exatamente o que eu queria. E daí chegou aquela
estúpida manhã, quando, num rompante de boa vontade pós-coito, cometi o grande
erro de fazer ovos pro cara. Até o Adrian, que eu pensava que me entendia,
terminou convencido de que eu estava tentando amarrá-lo.” p.13


Todos os personagens foram bem construídos. Eu gostei
bastante de Lauren, que apesar de se mostrar um pouco insegura em determinados
momentos, é uma mulher independente e de personalidade forte, que vai atrás do
acredita mesmo que pague um preço alto por isso. Gosto de personagens femininas
determinadas, exatamente como ela. Os personagens secundários também são
bastante cativantes e divertem o leitor.

A história também possui um lado comovente – relacionado ao passado
da protagonista – que justifica determinadas ações e traz momentos emocionantes ao
livro.

A obra não possui uma divisão por capítulos. Ele é dividido
em partes, com base nos guias amorosos utilizados pela personagem (duração de
cada experimento e os resultados). Essa divisão me deu
a impressão de tornar a leitura um pouco mais lenta, mas de forma alguma a tornou entediante. A escrita da autora é bem direta e de fácil compreensão,
tornando a leitura leve e interessante.

O livro possui um viés feminista muito bacana e tenta fazer
o leitor compreender que não é errado uma mulher ter encontros com homens
interessantes, sem necessariamente projetar um relacionamento sério.

“Nós
achávamos que ele era meio bundão, mas infelizmente, como acontece muitas
vezes, era um bundão bom de cama, e também era capaz de manejar muito bem
aquela criptonita feminina todo-poderosa: o violão. Quanto a mim, eu preferiria
lamber a sola das minhas sandálias depois de uma excursão pela Índia do que me
sentar na beira da cama enquanto um homem me cantava uma música, mas Lucy era
outra história: ela adorava aquilo. Na verdade, ela até cantava com ele. Eu me
arrepio só de pensar.” p.20


A edição da Editora Paralela ficou muito bem feita, com uma
ótima diagramação, além de uma revisão impecável. A capa é muito bonita, bastante
chamativa e confesso que comprei o livro assim que bati os olhos nela.

A obra me lembrou alguns filmes como “O Diário de Bridget Jones” e “Descompensada”, por conta das peripécias da
protagonista. Se você gosta de enredos desse tipo, essa leitura é para você. 
Indico o livro para quem procura um Chick-Lit
descontraído, envolvente e divertidíssimo.


Série de livros “Wild Cards” será adaptada para TV

Wild Cards, série de livros
criada por George R.R. Martin – também autor de As Crônicas de Gelo e Fogo
será adaptada para série de TV. O autor anunciou em seu blog, no último sábado
(6), que a Universal Cable Productions adquiriu os direitos da adaptação.

“Espero que vocês estejam
empolgados como eu. Claro, Hollywood é Hollywood, e nada é certeza durante o
desenvolvimento de uma série… Mas espero, cruzo os dedos, que Wild Cards
esteja nas suas telas nos próximos dois anos”
, escreveu Martin na
postagem.
Wild Cards começou a ser escrita
no final da década de 80, quando Martin e seus amigos de RPG – que também eram
escritores – resolveram levar o universo criado em seus jogos para a
literatura. A série, que está em curso há quase 30 anos, gerou até o momento 22
livros. No Brasil, os livros chegaram em 2013 e foram publicados pela Editora
LeYa
.
A trama de Wild Cards se passa
após a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente em 1946, quando um vírus
alienígena quase extermina a humanidade matando 90% da população. Os
sobreviventes acabam virando seres deformados (os “Coringas”) ou, em
raras exceções, permanecem com aparência humana e ganham superpoderes (os
“Ases”)
.
A adaptação terá Melinda
Snodgrass (Jornada nas Estrelas: A Nova Geração) e Gregory Noveck (Red:
Aposentados e Perigosos)
como produtores executivos do projeto. O autor não
terá participação direta no projeto em razão de seu contrato exclusivo com a
HBO para o desenvolvimento das últimas temporadas de Game of Thrones.
Preparados para mais um sucesso
de George nas telinhas?


Resenha: Tudo e Todas as Coisas – Nicola Yoon


Título: Tudo e Todas as Coisas
Editora: Novo Conceito
Autora: Nicola Yoon
Páginas: 304
Ano: 2016
Nota: 

 

Sinopse: “Minha doença é tão rara quanto famosa.
Basicamente, sou alérgica ao mundo. Qualquer coisa pode desencadear uma série
de alergias. Não saio de casa. Nunca saí em toda minha vida. As únicas pessoas
que já vi foram minha mãe e minha enfermeira, Carla. Eu estava acostumada com
minha vida até o dia que ele chegou. Olho pela minha janela para o caminhão de
mudança, e então o vejo. Ele é alto, magro e está vestindo preto da cabeça aos
pés. Seus olhos são de um azul como o oceano. Ele me pega olhando-o e me encara.
Olho de volta. Descubro que seu nome é Olly. Talvez eu não possa prever o
futuro, mas posso prever algumas coisas. Por exemplo, estou certa de que vou me
apaixonar por Olly. E é quase certo que será um desastre.”

A trama conta a história de Madeline, uma garota de 17 anos
que possui “IDCG” (Imunodeficiência Combinada Grave), uma doença rara que torna
a menina alérgica a praticamente tudo. Ela foi diagnosticada quando pequena,
por conta de uma alergia que quase a matou, e desde então vive em casa com sua
mãe. Madeline não conhece o mundo “lá fora”. Em 17 anos, ela nunca saiu de
casa. O mundo que ela conhece é visto somente pela janela de seu quarto asséptico e através dos inúmeros livros que já leu. 
Sua vida consiste em ler livros, ter aulas
online, passar o dia na companhia de sua enfermeira, Carla, e ter noites de mãe
e filha.

Madeline, apesar das limitações impostas pela sua doença,
tinha uma vida tranquila e parecia conformada com sua rotina. Mas tudo muda quando uma
nova família se muda para a casa ao lado, trazendo com eles Olly, um garoto que
logo desperta o interesse de Maddy.

Olly tenta se aproximar de Maddy, eles constroem uma amizade
e Maddy sente que está se apaixonando. Mas como ela poderia lidar com isso
estando em sua condição?

Meu interesse por
esse livro se deu quando li a sinopse. Achei que a história me lembrava o
filme “Jimmy Bolha”, uma comédia onde o protagonista
(nosso querido Jake
Gyllenhaal no auge dos 20 aninhos)
possuía uma doença que o obrigava a viver em
uma bolha, literalmente
(clique aqui para assistir o trailer). Sendo assim,
fiquei interessada no enredo e resolvi que faria essa leitura.
E ao final, fiquei encantada com todos os sentimentos
que esse livro foi capaz de despertar em mim.
 

“O
meu aniversário é o dia do ano que mais nos damos conta da minha doença. É  noção da passagem do tempo que faz com que
nos sintamos assim. Outro ano inteirinho de doença, sem nenhuma esperança de
cura no horizonte. Outro ano sentindo falta de todas as coisas que são normais
na vida de qualquer adolescente: a carteira de motorista provisória, o primeiro
beijo, o baile de formatura, o primeiro coração partido, os percalços de
aprender a dirigir. Outro ano em que minha mãe não faz nada além de trabalhar e
cuidar de mim. Em qualquer outro dia, essas ausências são fáceis, pelo menos um
pouco mais fáceis, de serem ignoradas.” p.18


A escrita da autora é leve e descomplicada, fazendo com que
o leitor devore o livro de uma só vez. A narrativa, feita em primeira pessoa, é
bastante dinâmica, intercalando texto corrido com ilustrações, conversas no bate-papo e gráficos, tonando a leitura rápida e interessante. 

Uma
das coisas que mais gostei no livro foram essas ilustrações. Através desses desenhos podemos acompanhar  as anotações de
Maddy em seus cadernos, onde ela coloca seus pensamentos aleatórios e sentimentos,
compreendendo melhor a cabeça da personagem.

O livro é tão envolvente que é capaz de fazer o leitor sentir as emoções da personagem junto com ela. O primeiro amigo, o primeiro amor, a frustração por não ser uma adolescente “normal”, por ter que viver “trancafiada” quando a vontade da personagem é de conhecer o mundo… Eu fiquei angustiada junto com Maddy, sofri e sorri com ela. Foi como se ela fosse uma amiga muito próxima que estava desabafando sobre a vida.

“Li muito mais livros que você. Não importa quantos
você já tenha lido. Eu li mais. Tive tempo para isso.” p.9


Ainda que o livro seja repleto de drama, eu dei boas risadas
com Maddy. Ela é uma garota inteligente, perspicaz e muito amorosa. Maddy não possui amigos por conta de sua
doença, sendo assim, ela passa a maior parte do tempo lendo ou na navegando na internet. Ela
possui um Tumblr de resenhas de livros e suas “resenhas com spoilers” são bem
divertidas, como:

Todos os personagens foram bem construídos e os personagens
secundários também são muito cativantes. Olly é um menino carinhoso e lida com graves problemas familiares, Carla é enfermeira de Maddy e tem um apreço enorme pela
menina. A mãe de Madeline tomou algumas
atitudes durante a leitura que eu claramente não concordava, mas eu conseguia entender. Acho que quando a gente ama demais, fazemos coisas sem pensar direito nas
consequências…

A obra possui uma grande reviravolta, servindo de gancho
para o desfecho do livro. Aliás, eu gostei do
desfecho, mas achei que ele aconteceu de forma rápida. Isso não diminui a qualidade
da obra, mas eu teria ficado completamente satisfeita se esse desfecho tivesse sido mais desenvolvido.

A capa do livro é lindíssima e a diagramação está ótima. Durante a leitura eu encontrei apenas um errinho, nada que incomodasse de fato. Ótimo trabalho da Editora Novo Conceito!

Tudo e Todas as Coisas é um livro com uma narrativa deliciosa e emocionante, capaz de conquistar a atenção do leitor até a última página. Leitura recomendadíssima!


TAG: The Name Game Book


Olá, pessoal!

Hoje eu trouxe uma TAG bem bacana (e rápida) que vi no blog Reality Of Books. “The Name Game Book” consiste em nomear livros para cada letra do seu nome. Fácil, né? Então vamos lá:

J Jurassic Park, de Michael Crichton

Eu queria muito fazer a TAG somente com livros já lidos… Porém, foi quase impossível lembrar de livros com a letra J. Procurei na estante e não vi nada também… Então resolvi colocar Jurassic Park, que é um livro que tenho vontade de ler já faz um tempo. Fora que essa edição da Aleph está incrível, né?

ÉÉ agora… ou Nunca, de Marian Keyes


Tive que quebrar a cabeça com essa letra também. Por incrível que pareça, não tinha nenhum livro na minha estante que começasse com “É”. Decidi colocar É Agora… ou Nunca por adorar os livros da Marian e por esse fazer parte da minha lista de desejados.

SSussurro, de Becca Fitzpatrick


Esse é um livro que li há alguns anos atrás e adorei! Patch é um ótimo personagem e dificilmente os leitores não irão se apegar a essa série.

SSimplesmente Acontece, de Cecelia Ahern


Eu nunca tinha lido nada da autora, apenas assistido as adaptações cinematográficas de seus livros. E fiquei super feliz quando me deparei com um livro que, mesmo com um filme super cativante, fez eu gostar mais da leitura do que da adaptação. O livro é maravilhoso, escrito em forma de cartas, e-mails e postais, e conseguiu me prender do início ao fim!

I Incrível, de Sara Benincasa


Quando pensei em livros com a letra I não conseguia pensar em nenhum outro que não fosse esse. Já faz um tempo que tô namorando esse livro, mas ainda não tomei vergonha na cara para comprá-lo, rs. Li algumas resenhas que me deixaram louca pela obra! Espero fazer a leitura dele ainda esse ano.

CComo Eu Era Antes de Você, de Jojo Moyes

Sou apaixonada pela escrita da Jojo e esse livro é simplesmente maravilhoso, né? Impossível não se apaixonar pela história de Lou e Will. 

AA Seleção, de Kiera Cass


Escolhi A Seleção por ser um livro que eu tive certo preconceito por muito tempo e quando finalmente fiz a leitura… paguei a língua. Fiquei louca pela série e hoje é uma das minhas favoritas!

E aí, curtiram a TAG? Sintam-se marcados para fazer no blog de vocês também. Mas não esqueçam de me avisar para que eu possa conferir as respostas de vocês, ok?