Resenha: Para Sempre – Alyson Noël (Os Imortais #1)

Título: Para Sempre

Autora: Alyson Noël
Editora: Intrínseca
Ano: 2009
Páginas: 264
Nota: 

Sinopse: Ever Bloom tinha uma vida perfeita: era uma garota popular, acabara de se tornar líder de torcida do principal time da escola e morava numa casa maravilhosa, com o pai, a mãe, uma irmãzinha e a cadela Buttercup. Nada no mundo parecia capaz de interferir em sua felicidade, o céu era o limite! Até que um desastre de automóvel transformou tudo em um pesadelo angustiante. Ever perdeu toda a sua família. Mudou de cidade, de escola, de amigos, e agora, além de todas essas transformações em sua vida, ela precisa aprender a conviver com uma realidade insuportável: após o acidente, ela adquiriu dons especiais. Ever enxerga a aura das outras pessoas, pode ouvir seus pensamentos e, com um simples toque, é capaz de conhecer a vida inteira de alguém. É insuportável. Ela foge do contato humano, esconde-se sob um capuz e não tira dos ouvidos os fones do Ipod, cujo som alto encobre o som das mentes a seu redor. Até que surge Damen. Tudo parece cessar quando ele se aproxima. Só ele consegue calar as vozes que a perturbam tão intensamente. Ever não entende o porquê disso, mas é incapaz de resistir à paz que ele lhe proporciona, à sensação de, novamente, ser uma pessoa normal. Ela não faz ideia de quem ou o quê Damen realmente é. Sua única certeza é estar cada vez mais envolvida… e apaixonada.

“O olhar que faz a gente derreter, o toque que faz a gente formigar, a voz que silencia o mundo…” p.41


Sinceramente, nem sei por onde começar. Nunca havia lido nada escrito pela Alyson Noël e já faz um bom tempo em que havia parado de ler livros com essa temática por simplesmente não conseguir encontrar nenhum livro que prendesse minha atenção. Eu já estava entrando em desespero e me perguntando o que estava acontecendo com  meu “eu leitora”, quando, há algumas semanas, encontrei Para Sempre perdido entre tantos outros livros na biblioteca da escola e pensei “Bom, porque não?”. Não poderia ter feito escolha melhor. Li ele em dois dias e simplesmente A-M-E-I, entretanto, o amor parou aí e infelizmente eu desisti da série no segundo livro, Lua Azul.

Mas como a história do primeiro livro me agradou muito – apesar da premissa clichê – resolvi escrever a resenha sobre ele. Vamos ao livro!

“Deve ser ótimo viver assim, aparecendo só quando dá vontade, sem ter de entrar nas trincheiras e enfrentar a barra-pesada da vida real como todo mundo faz!” p.43


A curiosidade começou a partir da sinopse e me levou a criar diversas especulações sobre qual tipo de imortal a história iria abordar, inicialmente, pensei que se referia a vampiros, mas se é sobre esse tipo de imortal que o livro retrata, você terá que ler para descobrir. Ainda assim, posso adiantar que você ira se surpreender e verá algo totalmente diferente do que é citado em livros dessa temática, a narrativa segue uma caminho completamente diferente do que imaginamos.

“Aquele que faz minhas mãos suarem, meu coração palpitar… e que não sai da minha cabeça de jeito nenhum!” p.48


O livro é narrado através da perspectiva da protagonista Ever BloomA partir do primeiro capítulo já somos apresentados a vida de Ever após o acidente de carro que matou toda sua família. Devo ressaltar que a autora faz um grande mistério em torno desse assunto, revelando aos poucos as respostas para nossas perguntas, mas apenas nos últimos capítulos descobrimos o que de fato ocorreu e o porque de Bloom culpar-se pelo trágico acontecimento.

Logo nos primeiros momentos de narrativa percebemos que Ever é uma garota que, além de possuir os problemas comuns da adolescência, enfrenta conflitos internos, paranormais e emocionais.

Damen é o galã da história, possui um jeito misterioso e sedutor. Assim que chega na escola, torna-se assunto de todas as rodinhas de “fofoca” devido a sua estonteante beleza.

Ever possui dois – e únicos – amigos, Milles, um garoto que é homossexual, cujo pai vive tentando arrastá-lo para jogos esportivos. Seu maior sonho é ser ator, ele é um personagem divertido e espontâneo; Já Haven é uma garota carente de atenção e que tenta a todo custo obter a atenção dos pais, já que é completamente ignorada por estes que só pensam no trabalho e carreira. Particularmente falando, a senhorita Haven não me agrada nem um pouco. Em muitos momentos ela se mostrou uma pessoa invejosa e sua falta de personalidade realmente me irritou.

Ever Bloom não é, e está longe de ser, a melhor personagem que já me deparei, ela falha em muitos aspectos, como por exemplo, sua imaturidade perante diversas situações e diálogos, sua confusão e batalha interna passam de interessante a irritante depois de um certo ponto. Ela acabou de enfrentar uma grande tragédia, que mudou o rumo de sua vida e personalidade, mas apesar disso, eu senti dificuldade de me identificar com ela, pois se fosse eu em seu lugar, teria reagido completamente diferente. O que eu quero dizer é que para uma pessoa que acabou de perder toda a família, ela possui opiniões e ações egoístas e imaturas. 

Após o acidente ela começa a possuir dons, como a capacidade de ver auras, ler pensamentos e com apenas um toque físico saber todo o passado e futuro das pessoas. Fora isso, ela recebe visitas regulares de sua irmã falecida de apenas 12 anos, Riley Bloom, que é minha personagem preferida por ser a responsável por diálogos que nos fazem sorrir (e querer adota-la *-*).

Sabina mora em Laguna Beach, Califórnia, e ela é a adulta da trama. É solteira e não possui filhos, pois sua vida é 100% centrada em sua carreira como advogada. É com ela que Ever passa a morar após o acidente.

Como não poderia faltar em uma boa trama, Drina é a vilã, na maior parte do livro ficamos sabendo poucas coisas sobre ela, além do fato de não ter ido com a “cara” dela desde o princípio e que ela possui, de certo modo, um envolvimento com Damen.

Como citado anteriormente, Damen é uma cara misterioso, contudo, é exatamente esse mistério em torno do personagem que nos prende na leitura, nos fazendo querer respostas para as milhares de perguntas que viram em sua mente ao longo da narrativa. Alguns dos fatores que nos deixam intrigados em relação a Damen é que ele nunca come, apenas bebe um estranho liquido vermelho e faz com que rosas e tulipas apareçam do nada.

Ever não consegue ler seus pensamentos e ele não possui aura, devido a este motivo ela aproxima-se dele, com o propósito de desvendar esse mistério. A presença do garoto lhe traz paz por silenciar os pensamentos ao seus redor, o que, de certo modo, lhe dá a oportunidade de experimentar um pouco da sensação de normalidade, de como sua vida era antes do acidente.

“Com os dedos trêmulos, desdobro as pontas do triângulo e desamasso o papel. E quase tenho um treco quando deparo com o conteúdo: um desenho, pequeno mas bastante detalhado, de uma linda tulipa vermelha.” p.63

A escrita da Alyson Noël possui um linguajar simples e que nos envolve de um modo geral na trama. Além disso, a autora costuma ser bastante descritiva em relação aos sentimentos de Ever.


“Se a voz já era aquela maravilha, capaz de me cercar de silencio, e o toque aquele espetáculo, capaz de eletrizar minha pele, o beijo…bem, o beijo é uma experiência Sobrenatural. Quando Damen se afasta e fica me olhando, fecho os olhos novamente e puxo o garoto de volta pelas lapelas da casaca.” p.78


Espero que tenham que tenham gostado da resenha e peço-lhes desculpas pela demora.


4 comentários sobre “Resenha: Para Sempre – Alyson Noël (Os Imortais #1)

  1. Julia Dekeper disse:

    Tô lendo ainda o livro, mas amei a história ♥
    A Ever me irrita muito e a Haven também -.-
    O Milles é meu amorzinho hehe ♡♡

    Anjo sua resenha ficou M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A, como sempre né *-*
    Amo o modo como você escreve, é direto, inteligente e fácil de entender
    Tô curiosa pra saber qual vai ser a próxima resenha ♥♥♥
    Te amo ♡♡

  2. livrosdajess disse:

    Olá *-*
    Obrigada anjo, você nem imagina o quanto eu fico feliz em saber que gostou da resenha e do modo que eu escrevo, só você pra me aturar mesmo hehe ❤️❤️

    A Haven me irrita, ela é muito egoísta em relação a tudo e a Ever é muito cri cri kkk 😒
    Só o Damen, Milles e a Riley pra salvar 😍😍
    Também te amo ♡
    OBS: a próxima resenha sairá em breve u.u

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *